Glossário

Please select from the menu above

  • Abordagem construtivista
    Corrente da Psicologia baseada na perspectiva biológica de Jean Piaget segundo a qual as funções cognitivas e habilidades são construídas por indivíduos em suas contínuas tentativas em atingir um equilíbrio com seu ambiente. Nessa corrente, deu-se grande destaque ao conceito de internalização. 4777 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ação
    Componente individual da estrutura hierárquica tripartite da atividade proposta por Leontiev, sendo a própria atividade e a operação os outros dois componentes. Composta por operações e orientada à realização de metas conscientes, a ação deve ser compreendida dentro do contexto de sua respectiva atividade. Com a prática, uma ação pode se tornar automatizada, deixando assim o nível consciente e tornando-se
  • Agência
    Capacidade e vontade dos sujeitos para moldar seus sistemas de atividade. 5075 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Aprendizagem expansiva
    Processo pelo qual o sujeito busca estender o objeto de aprendizagem através das relações entre o contexto da crítica, o contexto da descoberta e o contexto da aplicação prática. O objeto novo e expandido que resulta desse processo promove uma transformação qualitativa em toda a atividade de aprendizagem. 5305 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Artefatos culturais
    Elementos mediadores da atividade, que, para Vygotsky, rompem a dicotomia entre indivíduo e estrutura social. Para esse pesquisador, é graças às relações sociais pelos artefatos culturais que se forma a consciência, ou seja, ela não se forma isolada da estrutura social. Vygotsky emprega os termos ferramenta, instrumento e artefatos como sinônimos de mediadores da atividade. 8187 visitas ao todo. 2
  • Ascensão do abstrato ao concreto
    Abordagem epistemológica geral usada por Karl Marx em o Capital para originar uma teoria abrangente e concreta do capitalismo através da ‘célula germinativa’ ou ‘germe’ abstrato e simples da mercadoria. Essa abordagem fundamentou a teoria educacional desenvolvida pelo grupo de pesquisa chefiado por V.V. Davydov, a qual apresenta dois traços característicos: (a) o movimento do geral para o particular, quando
  • Atividade
    Conceito-chave da Teoria da Atividade. A atividade se caracteriza por ser sempre multimediada pelos artefatos utilizados (instrumentos, signos, linguagem), pelas regras definidas pela comunidade (normas, leis, práticas aceitáveis, valores), sejam elas implícitas ou explícitas; e pela divisão de trabalho na comunidade (tarefas, papéis, procedimentos de comunicação). 6252 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Atividade coletiva
    Conceito introduzido por Leontiev que contribui para a diferenciação entre a ação individual e a operação. A atividade coletiva caracteriza-se por ser um contexto importante para se compreenderem as ações. Toda atividade é essencialmente coletiva. 14368 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Atividade de aprendizagem
    Conceito proposto por Engeström que significa ir além do desenvolvimento de habilidades específicas para de fato aprender a aprender. Davydov destaca três características da atividade de aprendizagem: (a) ela deve ter todos os atributos do conceito geral da Teoria da Atividade; (b) ela deve ter um conteúdo específico dirigido ao objeto; (c) ela envolve criação e reformulação de elementos. 5184
  • Atividades circunvizinhas
    Atividades de uma rede de sistemas de atividade cujos objetos estão interligados. 5570 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Automatização
    Processo no qual uma ação consciente pode se tornar uma operação automatizada. 4938 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Boundary crossing
    Movimento para além das fronteiras em busca de (e para oferta de) ajuda e ao encontro de informações e ferramentas onde quer que elas estejam disponíveis, implicando a navegação por domínios desconhecidos. 4676 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Capacidades de linguagem
    Capacidades que permitem a circulação discursiva dos sujeitos em diferentes esferas da atividade humana. São elas: capacidade de ação, capacidade discursiva e capacidade linguístico-discursiva. 8859 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Comportamentalismo
    Corrente da Psicologia de grande influência na Educação cujo principal expoente foi Burrhus Frederic Skinner (1904-1990). Na abordagem de ensino derivada dessa corrente, o foco se encontra no controle por meio de técnicas de reforço próprias e de moldagem de comportamento. O professor, tido como detentor do conhecimento, estipula o que o aluno irá aprender através de técnicas de estímulo-resposta-reforço. O
  • Comunidade
    Grupo de pessoas que compartilham o mesmo objeto de atividade. 4831 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Contexto da crítica
    Etapa inicial, proposta por Engeström, para o rompimento da encapsulação da aprendizagem escolar mediante fornecimento aos alunos de condições para que eles possam analisar criticamente conteúdos e atividades, bem como mediante o reconhecimento da relação entre o conhecimento escolar e o background desses alunos. 5940 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Contexto de aplicação prática
    Contexto de uso social contemporâneo significativo e de formação de conhecimento acerca do fenômeno a ser dominado. 6064 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Contexto de descoberta
    Circunstância na qual os alunos têm a chance de usar o germe primário geral a fim de deduzir, explicar, predizer e controlar fenômenos e problemas concretos em seu ambiente. 5242 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Contradições
    Tensões estruturais historicamente cumulativas nos sistemas de atividades e entre eles que geram pertubações e conflitos, mas, ao mesmo tempo, renovam tentativas de mudar a atividade. 6066 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Desautomatização
    Processo inverso à automatização, ou seja, a transformação de operações rotineiras em ações conscientes. 5226 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Descontinuidade direcional
    Instância que surge quando o próprio objetivo e justificativa do esforço de aprendizado coletivo é descartado e substituído por um diferente. Tipicamente leva à desintegração ou a cessação do processo de aprendizagem expansiva (porém outros podem adotar e prossegui-los). 4495 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Descontinuidade mundana
    Instância que geralmente requer ações de transição que permitam que o próximo pequeno ciclo se construa sobre os resultados e as experiências do ciclo anterior. 4727 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Divisão de trabalho
    Forma como o(s) sujeito(s) age(m) sobre o objeto, indicando a divisão das funções e tarefas entre os membros individuais ou grupos dentro da comunidade. Pode ser organizada em duas categorias: a divisão horizontal de tarefas entre membros da comunidade e a divisão vertical de poder e status. 5200 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Engeström
    Yrjo Engeström. Pesquisador finlandês responsável pela difusão das ideias de Vygotsky e Leontiev em contextos institucionais além do escolar. Sua importância está na valorização do papel da comunidade no processo de desenvolvimento. Engeström realizou uma análise das duas gerações da Teoria da Atividade – a primeira de Vygotsky e a segunda de Leontiev –, destacou suas relativas contribuições e limitações e apresentou
  • Ensino de estratégias
    Ensino de línguas que enfatiza o trabalho com processos cognitivos necessários à compreensão, produção e à aprendizagem da língua, como skimming, scanning, discriminação, inferência, classificação, testagem de hipóteses e uso de conhecimento prévio. 4752 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ensino de funções
    Ensino de línguas que focaliza o trabalho com atos de fala que se combinam em situações comunicativas e servem a diferentes propósitos. 4841 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ensino de gêneros
    Ensino de línguas que focaliza textos materializados na vida diária, com características sociocomunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição característica. 5027 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ensino de tipos de texto
    Ensino de línguas que focaliza as sequências teoricamente definidas pela natureza linguística de sua composição: narração, argumentação, exposição ou explicação, descrição e injunção. 4590 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ensino normativo
    Ensino de línguas que focaliza o trabalho com elementos linguísticos dissociados de seu contexto de uso. 6952 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ensino temático
    Ensino de línguas que focaliza as ideias centrais de um texto e se ocupa de fatores de compreensão e produção como essenciais. 6397 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Espaço de aprendizagem
    Espaço, segundo, Davydov e Engeström, que se caracteriza por ser (a) contexto de descoberta, mediante ascensão do abstrato para o concreto; contexto de prática social, seja dentro ou fora da escola; e contexto de crítica, por oferecer aos aprendizes uma oportunidade de analisar criticamente e sistematicamente sua atividade prática e suas conclusões internas. 107612 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Espinoza
    Baruch Espinoza. Filósofo de origem judaica considerado um dos grandes racionalistas do século XVII. Seu pensamento polêmico a respeito da unicidade entre Deus e a natureza lhe rendeu a excomunhão da comunidade judaica. Sua perspectiva monista materialista, que se sustenta no princípio fundamental da indivisibilidade do organismo, revela dois aspectos – o físico e o mental – cada um possuindo o mesmo
  • Experimentação
    Processo de elaboração de contradições que seres humanos encontram na manutenção da sua atividades. 4926 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Experimento formativo
    Método de estudo empírico preferido pela psicologia histórico-cultural de Vygotsky e que consistia em uma intervenção experimental no processo de desenvolvimento com o intuito de facilitar o surgimento de certos resultados desenvolvimentais. 6596 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Ferramentas
    Elementos físicos (como martelos e computadores) ou semióticos (a linguagem) que mediam a ação dos sujeitos sobre os objetos e normalmente refletem as experiências prévias dos representantes da cultura em questão. O uso de ferramentas culturalmente específicas molda a forma como as pessoas agem e pensam. Assim, ferramentas recentes como as relacionadas à comunicação mediada por computador, por exemplo, podem
  • Filosofia materialista-dialética
    Fundamentação filosófica e metodológica do marxismo em que se pressupõe que a teoria não pode ser separada da prática e que a matéria está em uma relação dialética com o psicológico e com o social. 4975 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Funções
    Conceito que representa as instâncias do funcionamento mental. Em geral, emergem do social, a partir da relação entre os sujeitos, e posteriormente se tornam individuais em cada sujeito. 4697 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Generalização
    Processo que está na raiz da aprendizagem e se baseia em identificar e controlar a variação, o que leva à uniformização de ações. Mudanças aceleradas requerem generalizações e aprendizagem que expandam o horizonte do aprendiz e alcancem a camada dos sistemas de atividade coletiva. 4938 visitas ao todo. 12 visita(s) hoje.
  • Instrumentos
    Mesmo que ferramentas. 5207 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Internalização
    Processo de transformação do ser humano que, segundo Vygotsky, surge a partir do sistema de atividade entre as zonas de desenvolvimento proximal coletivas. Inicialmente surge de uma atividade externa, que se transforma em um processo interno dos sujeitos da atividade e passa, por fim, a um nível individual. 5933 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Intervenção
    Ação intencional por um agente humano para criar a mudança. 4909 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Knotworking negociado
    Modo de colaboração que envolve amarrar, desamarrar e reamarrar juntos fios separados de atividade. O próprio nó instável precisa ser o foco da análise. 4902 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Leontiev
    Aleksey Leontiev. Exponente da psicologia do desenvolvimento reconhecido como um dos fundadores da Teoria da Atividade juntamente com seu mestre Vygotsky. Prosseguiu os estudos de Vygotsky, dando importância à coletividade e à natureza sócio-histórica do psiquismo humano. 10071 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Linguagem
    Fenômeno que, para Vygotsky, é constituidor do sujeito, servindo tanto para seu funcionamento social quanto em seu desenvolvimento mental, no qual exerce as funções organizadora e planejadora do pensamento. Dessa forma, a linguagem tem um aspecto funcional e psicológico. 5222 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Mediação
    Conceito introduzido por Vygotsky para representar o elo intermediário entre o estímulo e a resposta criando uma relação entre eles. É considerado a grande contribuição da primeira geração da Teoria da Atividade. 4794 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Método de dupla estimulação
    Método proposto por Vygotsky  que se caracteriza como um movimento de intervenção com foco no desenvolvimento da ação voluntária e intencional mediante a oferta ao sujeito de uma dupla série de estímulos – sensíveis e verbais – que operam como objetos mediadores de uma tarefa. 16159 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Motivo
    Objeto que se direciona a uma necessidade do sujeito. 5321 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Objeto
    Elemento dinâmico e transformável de um sistema de atividade que constitui a razão mesma de sua existência e para o qual se orientam as ações do sujeito. 5166 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Operação
    Nível hierárquico inferior do arcabouço conceitual elaborado por Leontiev para representar a estrutura tripartite da atividade. Nesse arcabouço, a atividade (orientada a um objeto) propriamente dita constitui o nível mais alto; a ação orientada a uma meta constitui o nível intermediário; e as operações, processos rotineiros e normalmente espontâneos e automatizados, constituem o nível mais baixo. 5281 visitas ao todo.
  • Orgãos funcionais
    Conceito proposto por Leontiev para representar a combinação de habilidades humanas naturais com as capacidades dos componentes externos – ferramentas – para executar uma nova função ou aperfeiçoar uma já existente. 8541 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Participação periférica legítima
    Conceito proposto pela antropóloga Jean Lave e pelo educador Etienne Wenger com base na noção de que a aprendizagem ocorre como parte integrante da prática social em que ela está inserida. Como, consequência, de acordo com os pesquisadores, para mudar ou melhorar a aprendizagem deve-se reorganizar a prática social. 9217 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Perspectiva dialógica
    Perspectiva analítica que considera o caráter histórico da linguagem a partir do entendimento de que o sentido da palavra é determinado pelo seu contexto e de que a língua é compreendida como realidade concreta. 5473 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Perspectiva monológica
    Perspectiva de linguagem na qual a mesma é vista como um sistema estável, como uma abstração científica. 6613 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Pesquisa crítica de colaboração
    Abordagem teórico-metodológica, ativista e intervencionista que, apoiada nas discussões da TASHC, embasa pesquisas desenvolvidas no contexto escolar com formação de educadores como gestores de suas ações e escolhas. 5824 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Pesquisa desenvolvimental
    Abordagem experimental psicológica elaborada por Vygotsky com o intuito de rastrear o momento em que o germe emerge no processo de desenvolvimento e então seguir suas transformações em formas mais e mais desenvolvidas. Ainda de acordo com Vygotsky, a única maneira de revelar o impacto da cultura na mente era seguir as transformações desenvolvimentais, históricas de fenômenos mentais no contexto social
  • Rede de atividade
    Resultado da relação entre dois ou mais sistemas de atividade na qual um componente de um sistema pode assumir o papel de outro componente em outro sistema. Constitui-se no foco de análise da 3ª geração da Teoria da Atividade. 6576 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Regras
    Normas e padrões que regulam a atividade mediando a relação entre o sujeito e a comunidade. As regras permitem que o sistema seja considerado estável em um determinado momento. 5156 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Sentido
    Aquilo que expressa a relação entre o motivo da atividade e o objetivo imediato da ação. O motivo da atividade coletiva torna-se eficaz para um indivíduo devido ao sentido pessoal. 4577 visitas ao todo. 7 visita(s) hoje.
  • Signo
    Conceito que Vygotsky derivou do conceito marxiano de ferramenta material e adaptou ao campo simbólico. O signo, assim, é um instrumento construído pelo homem e cumpre, como tal, a função de mediar a interação homem-ambiente. Enquanto o instrumento material reforma a estrutura de operação de trabalho, o signo reforma a estrutura da operação psicológica, que desencadeia um conjunto de transformações biológicas
  • Sistema de atividade
    Unidade analítica proposta por Engeström que ainda preserva a unidade essencial e a qualidade integral por trás da atividade humana. Um sistema de atividade está constantemente sujeito a mudanças impulsionadas por suas contradições internas e por contradições em suas relações com outros sistemas de atividade. 12343 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Sistema de signos
    Conceito presente na obra de Davydov e Zinchenko que representa o verdadeiro sustentáculo da cultura humana. Esses sistemas desempenham um papel importante no processo de internalização. 5352 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Sujeito
    Indivíduo ou subgrupo de pessoas que se engaja ativamente em uma atividade ainda que não tenha consciência do objeto / resultado dessa atividade. 5226 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Tarefas
    Processos tipicamente descritos em termos de funcionalidade do sistema, não abrangendo o significado para o sujeito e o contexto maior da atividade humana. 5437 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • TASHC
    Abreviatura de Teoria da Atividade Sócio-Histórico-Cultural, nomenclatura usada pelo grupo Linguagem em Atividade no Contexto Escolar (LACE) que atua na Pontifícia Universidade Católica-SP dentro do Programa de Pós-Graduação em Línguística Aplicada e Estudos da Linguagem para referir-se à Teoria da Atividade Histórico-Cultural. O grupo optou por usar o adjetivo “sócio” no sintagma que nomeia essa teoria porque valoriza a interação.
  • Teoria da aprendizagem expansiva
    Teoria formulada em 1987 por Yrjo Engeström segundo a qual os aprendizes envolvem-se na construção de objeto e conceito radicalmente novos, mais amplos e mais complexos para sua atividade coletiva e na implementação desse novo objeto e conceito na prática. Os critérios de aprendizagem são construídos por meio da análise de histórico, que visa identificar as contradições que precisam ser
  • Teoria da atividade
    Abordagem da psicologia e de outras ciências sociais que objetiva entender o ser humano e as entidades sociais que eles compõem em circunstâncias de suas vidas cotidianas através da análise da origem, estrutura e processos de suas atividades. 7469 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Trabalho
    Atividade produtora e criativa relacionada à necessidade humana estabelecida socialmente, numa construção de troca entre o eu e o mundo, que resulta mudanças tanto no sujeito quanto no mundo. Para Karl Marx,  era a condição essencial da existência humana e instância transformadora do próprio homem e da sociedade, tendo portanto função na evolução do homem no âmbito físico e psíquico. Para os
  • Unidades molares de análise
    Abordagem aos experimentos psicológicos proposta por Vygotsky segundo a qual a análise deveria ser conduzida por unidades e não por elementos ou variáveis isoladas como se fazia tradicionalmente até então. 5032 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Valor de troca
    Conceito proposto por Karl Marx para o valor de um bem que é determinado de acordo com o tempo de trabalho social, varia no tempo e espaço, em relação quantitativa, proporcional. 5094 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Valor de uso
    Conceito proposto por Karl Marx para o valor de um bem que é determinado de acordo com a utilidade, relacionado às suas propriedades físicas, em relação qualitativa. 4738 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Vygotsky
    Lev Semyonovitch Vygotsky. Exponente da psicologia do desenvolvimento reconhecido como um dos fundadores da Teoria da Atividade, nos anos de 1920, juntamente com Leontiev e Luria. Para explicá-la, ele se fundamenta na filosofia de Karl Marx e no pensamento do filósofo judeu Baruch Espinoza (1632-1677). Contribuiu para esclarecer o papel do contexto social nos processos psicológicos humanos. 6208 visitas ao todo. 7
  • Zinchenko
    Pyotr Ivanovich Zinchenko. Exponente da psicologia do desenvolvimento e estudante de Vygotsky e Leontiev. Fundou e chefiou o departamento de psicologia Universidade de Kharkiv até sua morte em 1969. 5255 visitas ao todo. 2 visita(s) hoje.
  • Zona de desenvolvimento proximal
    Conceito introduzido por Vygotsky para representar a zona onde a aprendizagem ocorre, teoricamente concebida como a distância entre o nível de desenvolvimento real, ou seja, determinado pela capacidade de resolver problemas independentemente, e o nível de desenvolvimento proximal, demarcado pela capacidade de solucionar problemas com ajuda de um parceiro mais experiente. Também conhecida como ZDP. 6007 visitas ao todo. 2
19075 visitas ao todo. 11 visita(s) hoje.